Saúde Cardiovascular

O órgão do coração é uma bomba potente que circula sangue, nutrientes e oxigénio pelo corpo e, surpreendentemente, é o primeiro órgão a formar-se durante o desenvolvimento embrionário. Na medicina grega, era considerado o órgão mais importante, e hoje em dia, o facto de a doença cardíaca continuar a ser a principal causa de morte a nível mundial convida-nos a tentar compreender melhor a base molecular, genética e ambiental do desenvolvimento cardiovascular e das doenças. [1]

 

 

Sistema Cardiovascular

O sistema circulatório, ou sistema cardiovascular, consiste no coração e num sistema fechado de vasos sanguíneos, constituído por artérias, veias e capilares. Como curiosidade, vale a pena notar que se todos os vasos sanguíneos de uma pessoa fossem unidos, mediriam cerca de 100.000 quilómetros, ou seja, mais do dobro da medida da circunferência da terra. A sua principal função é transportar nutrientes e sangue rico em oxigénio para todos os órgãos do corpo e transportar o sangue desoxigenado de volta aos pulmões.
Este papel vital do sistema cardiovascular depende do movimento contínuo e controlado do sangue através dos milhares de quilómetros de capilares que percorrem cada tecido e chegam a cada célula do corpo. É nos capilares microscópicos que o sangue desempenha a sua função final de transporte. Os nutrientes e outros materiais essenciais passam do sangue capilar para os fluidos que envolvem as células, enquanto os resíduos são removidos. [2]

 

 

Números de doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares são uma das principais causas de morte na Europa, onde são responsáveis por cerca de 4 milhões de mortes anuais, cerca de 45% de todas as mortes. Especificamente, as doenças cardíacas isquémicas e as doenças cerebrovasculares, os dois principais grupos de doenças cardiovasculares, são responsáveis por cerca de 2 milhões e 1 milhão de mortes, respectivamente. [3]
De acordo com a Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC), dados padronizados por idade para 2015 mostraram que quase uma em cada quatro pessoas nos países membros da ESC tinha a tensão arterial elevada (Figura 1). A tensão arterial sistólica era mais elevada nos homens do que nas mulheres e nos países de rendimento médio do que nos países de rendimento elevado. Em quase todos os países, a prevalência de tensão arterial elevada teve tendência para baixar nos últimos 35 anos, mas as actuais taxas de declínio não parecem ser suficientes para cumprir o objectivo da OMS de doenças não transmissíveis para 2025. [4] 

Cardiovascular-health-risk-country

Figura 1. Incidência de doenças cardiovasculares padronizada por idade nos países membros da Sociedade Europeia de Cardiologia (2017). [4]

 

Num estudo da European Heart Network, estimou-se que as doenças cardiovasculares (DCV) custaram à economia da União Europeia 210 mil milhões de euros só em 2015, dos quais 53% (111 mil milhões de euros) se deveram a custos de saúde; 26% (54 mil milhões de euros) a perdas de produtividade; e 21% (45 mil milhões de euros) a cuidados informais de pessoas com DCV. O estudo mostrou que o fardo económico da CVD varia consideravelmente, com custos de saúde directos per capita variando entre 48 euros na Bulgária e 365 euros na Finlândia. [4]

A redução da morbilidade e mortalidade das doenças cardiovasculares (DCV) é o objectivo das estratégias preventivas clínicas e populacionais. Como a DCV é multifactorial, é necessário controlar e agir sobre vários factores de risco diferentes ao mesmo tempo. As doenças multifactoriais ou complexas são aquelas que não estão limitadas a um único padrão de herança genética e, na maioria dos casos, estão associadas aos efeitos de múltiplos genes juntamente com os efeitos de factores ambientais.

A estratificação de risco de DCV é importante porque há indivíduos que ainda não têm doenças evidentes, mas que podem desenvolvê-las. O risco total de DCV significa que um indivíduo é susceptível de desenvolver um evento cardiovascular fatal durante um determinado período de tempo. Para ajudar a diagnosticar e monitorizar indivíduos que têm um risco mais elevado de desenvolver DCV, foram desenvolvidos modelos de seguimento que são actualmente utilizados na Europa sob a forma de tabelas de estimativa de risco coronário sistémico (SCORE) (Figura 2)[5].

European score cardiovascular health
European cardiovascular health score los risk chart

Figura 2. a) Gráfico SCORE: Risco de doença cardiovascular fatal (DCV) por 10 anos em países com elevado risco de DCV. b) gráfico SCORE: Risco de doença cardiovascular fatal (DCV) por 10 anos em países com baixo risco de DCV [5].

 

 

Factores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. 

Os comportamentos de risco de hoje tornam-se os factores de risco de amanhã, e os factores de risco tornam-se as doenças cardiovasculares de amanhã. Neste contexto, foram feitas tentativas para desenvolver programas de promoção da saúde e de prevenção de doenças baseados nas descobertas científicas globais que ocorreram nas últimas décadas. [6] A estratégia de base utilizada por estas campanhas de saúde centra-se principalmente em evitar ou reduzir os factores que aumentam o risco de desenvolvimento da DCV. Estes incluem:  

→ Pressão arterial. A hipertensão arterial (HT) é um dos mais importantes factores evitáveis de mortalidade prematura no mundo. É também o factor de risco independente mais importante para a DCV. Na maioria dos países desenvolvidos, mais de 30% dos adultos têm hipertensão arterial. Por conseguinte, a prevenção primária deve começar o mais cedo possível. [7] 

→ Colesterol. A maior parte do colesterol em circulação é na forma de colesterol LDL (lipoproteína de baixa densidade), que está directamente associado ao risco de DCV. Níveis elevados de LDL estão associados ao risco aterogénico, que é definido como a possibilidade de desenvolver alterações que levam ao aparecimento de um depósito lipídico na parede da artéria. Este depósito lipídico pode levar ao desenvolvimento de uma placa de calcificação e, portanto, à perda de elasticidade arterial ou aterosclerose. Assim, a hipercolesterolemia é um indicador do aumento do risco cardiovascular. [8] 

→ Diabetes. Diabetes mellitus (DM) é um grupo de perturbações metabólicas cuja principal característica é a presença de concentrações elevadas de glucose no sangue. Estima-se que, em 2030, cerca de 64 milhões de pessoas na Europa sofrerão de DM tipo 2. Isto é preocupante porque a maioria dos diabéticos morrem de DCV. As pessoas com DM estão em alto risco e a tabela SCORE não lhes é aplicável. Por conseguinte, é importante modificar os hábitos de vida, regular o peso corporal, aumentar a actividade física, e adoptar hábitos alimentares saudáveis, para evitar o desenvolvimento de DM e CVD ou a sua progressão. [9] 

→ Obesidade. A prevalência da obesidade no mundo está a aumentar, especialmente nos países mais desenvolvidos, e contribui para um aumento significativo da morbilidade da DCV. O estilo de vida sedentário e os maus hábitos alimentares são a principal causa da obesidade. Existe uma associação linear entre índice de massa corporal (IMC), obesidade e especialmente a circunferência abdominal com a mortalidade total. O mais importante é a prevenção da obesidade no início da vida. A educação e a influência dos meios de comunicação social são importantes na prevenção da obesidade infantil. [10] 

→ Fumar. O tabagismo é um factor de risco dominante na mortalidade e morbidade cardiovascular e não cardiovascular. Estima-se que até 2025 haverá 1,6 mil milhões de fumadores no mundo, e que 10 milhões de pessoas por ano morrerão devido ao tabagismo. Por essa razão, é considerado o factor de risco mais importante a evitar na prevenção do desenvolvimento da DCV. [11] 

→ Genetics. As DCV são doenças complexas e geneticamente heterogéneas, resultantes de muitas interacções gene-gene e gene-ambiente. Por esta razão, a genética molecular e a farmacogenética desempenham um papel fundamental no diagnóstico, prevenção e tratamento da DCV. Os testes genéticos são normalmente utilizados para identificar a causa genética subjacente em doentes com suspeita de doença cardiovascular e para determinar quem na família herdou a variante causal e está, portanto, em risco de desenvolver a DCV. [12] 

 

 

 

Factores protectores para a saúde cardiovascular

Quase um terço das mortes por CVD são consideradas potencialmente evitáveis. A Associação Americana do Coração (AHA) publicou recomendações que definem o estado ideal de saúde cardiovascular. Entre elas encontramos:

→ Hábitos nutricionais saudáveis. Uma dieta saudável é a base da prevenção da DCV. Os hábitos alimentares influenciam os níveis de gordura e açúcar no sangue, a pressão sanguínea e o peso corporal. Uma nutrição saudável reduz o risco de outras doenças crónicas. A dieta mediterrânica é considerada como cumprindo todas as recomendações nutricionais saudáveis. É difícil isolar os efeitos dos nutrientes individuais nos benefícios para a saúde, e a investigação actual sugere que é mais importante considerar a dieta como um todo, em vez de se concentrar em nutrientes específicos. Foram estudadas várias abordagens dietéticas pelos seus efeitos na DCV. Dietas pobres em gorduras e dietas pobres em gorduras e com baixo teor de glícidos são populares e eficazes na perda de peso, mas não existem provas suficientes para as recomendar para a prevenção primária da DCV. [13]

→ Actividade física. A actividade física regular é protectora e tem muitos benefícios. Tem um impacto directo na redução de lesões vasculares já existentes e reduz outros factores de risco (reduz o peso corporal, os níveis lipídicos, os níveis de açúcar no sangue e a pressão arterial), diminuindo assim a incidência de doenças coronárias. As recomendações para actividade física em adultos são de pelo menos 150 minutos de actividade aeróbica de intensidade moderada ou pelo menos 75 minutos de actividade vigorosa por semana. [13]

 

 

Genética e saúde cardiovascular 

Com o advento de recursos e tecnologia na sequência do Projecto Genoma Humano, tem havido uma onda de investigação dirigida a marcadores de predisposição e farmacogenética em doenças cardiovasculares complexas. A investigação genómica lançou luz sobre o impacto de genes previamente identificados no desenvolvimento e progressão das doenças cardiovasculares. Além disso, descobriu regiões genómicas ainda desconhecidas que estão associadas a resultados cardiovasculares. [12]

A promessa da medicina personalizada reside na combinação desta informação genética com outros biomarcadores para adaptar estratégias preventivas e terapêuticas a pacientes individuais para um tratamento eficaz, menos efeitos adversos, e maior eficiência nos cuidados preventivos. [12]

Um exemplo disto é o enfarte do miocárdio (enfarte do miocárdio). Esta doença tem demonstrado ser hereditária e está entre as principais causas de morte e incapacidade a nível mundial. Enquanto a maioria dos enfartes do miocárdio ocorre em indivíduos com mais de 65 anos de idade, 5-10% dos novos enfartes do miocárdio ocorrem em pacientes mais jovens e estes eventos estão associados a uma hereditariedade substancialmente mais elevada. Por conseguinte, os indivíduos com um historial familiar de IM precoce têm um perfil promissor para o mapeamento genético. [14]

Especificamente, no gene inibidor do melanoma 3 ou MIA3, foram descritos polimorfismos que estão associados a um aumento da predisposição genética para desenvolver o MI. Um polimorfismo é uma variação da sequência de ADN que ocorre numa população com uma frequência de 1% ou superior. [15] 

Além disso, muitos dos factores de risco de doenças cardiovasculares, tais como diabetes, colesterol LDL elevado ou obesidade, têm também um importante componente genético. No caso da diabetes tipo 2, algumas mutações em genes como o RREB1, TCF19 ou VEGFA foram associadas a uma maior predisposição para o desenvolvimento desta doença. [16]

 

 

24Genética e saúde cardiovascular

A partir da 24Genetics fornecemos uma solução para os cuidados preventivos da saúde cardiovascular, através da compreensão das predisposições genéticas individuais. No nosso relatório de saúde analisamos os principais genes e polimorfismos envolvidos no desenvolvimento de patologias como a cardiomiopatia dilatada 1S, a cardiomiopatia hipertrófica familiar ou o enfarte do miocárdio, entre muitos outros, para informar sobre possíveis predisposições genéticas a este tipo de doenças.   

 

 

Bibliografia 

1. Granger, A. & Emambokus, N. Cell Metabolism ♥ Cardiovascular Biology. Cell Metab. 21, 151 (2015).

2. López, E. M. FISIOLOGIA DEL SISTEMA CARDIOVASCULAR. Educ. Física Deporte 6 (1979).

3. Di Girolamo, C. et al. Progress in reducing inequalities in cardiovascular disease mortality in Europe. Heart 106, 40–49 (2020).

4. Timmis, A. et al. European Society of Cardiology: Cardiovascular Disease Statistics 2019. Eur. Heart J. 41, 12–85 (2020).

5. Francula-Zaninovic, S. & Nola, I. A. Management of Measurable Variable Cardiovascular Disease’ Risk Factors. Curr. Cardiol. Rev. 14, 153–163 (2018).

6. Reddy, K. S. Cardiovascular Health. J. Am. Coll. Cardiol. 65, 1026–1028 (2015).

7. Hollander, W. Role of hypertension in atherosclerosis and cardiovascular disease. Am. J. Cardiol. 38, 786–800 (1976).

8. Carson, J. A. S. et al. Dietary Cholesterol and Cardiovascular Risk: A Science Advisory From the American Heart Association. Circulation 141, (2020).

9. Henning, R. J. Type-2 diabetes mellitus and cardiovascular disease. Future Cardiol. 14, 491–509 (2018).

10. Powell-Wiley, T. M. et al. Obesity and Cardiovascular Disease: A Scientific Statement From the American Heart Association. Circulation 143, (2021).

11. Ambrose, J. A. & Barua, R. S. The pathophysiology of cigarette smoking and cardiovascular disease. J. Am. Coll. Cardiol. 43, 1731–1737 (2004).

12. Manace, L. C., Godiwala, T. N. & Babyatsky, M. W. Genomics of Cardiovascular Disease: L. C. MANACE ET AL.: SPECIAL FEATURE-GENOMICS OF CARDIOVASCULAR DISEASE. Mt. Sinai J. Med. J. Transl. Pers. Med. 76, 613–623 (2009).

13. Lanier, J. B. Diet and Physical Activity for Cardiovascular Disease Prevention. 93, 6 (2016).

14. Myocardial Infarction Genetics Consortium. Genome-wide association of early-onset myocardial infarction with single nucleotide polymorphisms and copy number variants. Nat. Genet. 41, 334–341 (2009).

15. Koch, W. et al. Extended evidence for association between the melanoma inhibitory activity 3 gene and myocardial infarction. Thromb. Haemost. 105, 670–675 (2011).

16. DIAbetes Genetics Replication And Meta-analysis (DIAGRAM) Consortium et al. Genome-wide trans-ancestry meta-analysis provides insight into the genetic architecture of type 2 diabetes susceptibility. Nat. Genet. 46, 234–244 (2014).

Genética e lesões desportivas

Genética e lesões desportivas

Lesões desportivas As lesões são uma das maiores preocupações dos atletas, uma vez que, independentemente do desporto que praticam, estão expostos a elas. Muitas vezes os meios de comunicação social fazem eco de que certas figuras do desporto recaem continuamente da...

read more
Blue Monday y el Trastorno Afectivo Estacional

Blue Monday y el Trastorno Afectivo Estacional

Blue Monday es considerado por muchos el día más triste o deprimente del año. Este día se fija en el calendario el tercer lunes de enero, en una época en la que muchas personas sufren de trastorno afectivo estacional (TAE). De acuerdo con la psicología del color, el...

read more

What is a nutrigenetic study for?

Nutrigenetics is defined as the science that studies the effect that our genes have on the response to various dietary components. Therefore, a nutrigenetic study will allow us to adapt the food we eat to our needs. The fundamental hypotheses on which the science of...

read more
Herança Genética e Ancestralidade

Herança Genética e Ancestralidade

O nosso blogue tenta sempre ser informativo e acessível, e escrevemo-lo com o objectivo de o tornar simples e compreensível para qualquer leitor. Nesta ocasião, deixámo-nos ser um pouco mais técnicos a fim de explicar certos fundamentos da ascendência genética. Mas...

read more
Efeitos do sol na sua pele

Efeitos do sol na sua pele

Efeitos do sol sobre a pele A exposição da nossa pele à radiação ultravioleta (UV) do sol, e a absorção desta energia ultravioleta, provoca alterações nos sinais químicos, hormonais e neuronais do nosso corpo, que têm efeitos subsequentes nas células imunitárias e na...

read more
Obesidade e genética

Obesidade e genética

O que é a obesidade? A obesidade é definida como uma acumulação anormal ou excessiva de gordura que pode ser prejudicial para a saúde (1). Entre os diferentes métodos para medir e classificar a obesidade, o índice de massa corporal (IMC) é o mais amplamente utilizado....

read more
    0
    Trolley
    O seu carrinho está vazio
      Calculate Shipping
      Apply Coupon